25.7.17

A chegar às livrarias: A Noite Inteira, de Frederico Pedreira





«a noite fuma dos seus poros azuláceos
estamos no fundo da terra
na selva do sono
correntes de seiva engrossam
a porcelana das árvores

estou desatento
o teu nome brinca nos lábios
como um riacho em flor
é lembrado com uma facilidade canora
sobrevoa todas as fogueiras em marcha

no dorso da ave perdida
o dia empalidece e desagua no meu ombro
soturna poeira que me baralha o peito
breve fantasia para um homem deitado
(sequer o eco de um gatilho à cabeceira)

um buraco no telhado deste casebre:
espreito o teu rosto precário
como arde em rotação lenta
vai trocando a mão do sonho
sob uma neve muito fina» [p. 60]

Frederico Pedreira tem publicados vários livros de poesia, incluindo Presa Comum (Relógio D’Água, 2015). Doutorou-se no Programa em Teoria da Literatura da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.Venceu o Prémio INCM/Vasco Graça Moura na categoria de Ensaio (2016) — com Uma Aproximação à Estranheza.

Sem comentários:

Publicar um comentário