12.7.13

Sobre Trabalhos de Casa, de Rogério Casanova





«Porque Casanova é, na genuína acepção do termo, um iconoclasta. Mesmo alguns autores que aprendemos a associar ao seu nome, como Wood (que traduziu), são assim descritos: “No seu melhor James Wood é um crítico pavão (…); mas acerta mais vezes do que falha” (p.257).

Não quer isso dizer que R. Casanova exerça a crítica bulldozer. Mas o que pratica parece estar em vias de extinção: uma crítica de notável amplitude e inusual proficiência, capaz de ser apelativa sem relaxar; que é incisiva sem ter de lavar roupa suja, nem comprometer a tão descurada forma. Esta grande prosa parece ter levado à letra o conselho de Pound aos poetas: “fazê-lo novo”. Casanova é, definitivamente, aquilo que, algures, chama “crítico-escritor”. Por isso, não pertence a qualquer casta de crítico actualmente em stock, porque – usando uma metáfora mimética das suas recorrências desportivas – está demasiado longe do pelotão: isolado, prestes a cruzar a meta. Mas recusará, com grande probabilidade, a camisola. Basta-lhe a corrida. (…) Diferentemente do que sucede com a generalidade dos críticos, o que está aqui em causa é, além do mais – sobretudo, dir-se-ia –, uma teoria do romance.» [Hugo Pinto Santos, Time Out, 10-07-2013]

Sem comentários:

Publicar um comentário