31.12.12

Críticos do Expresso e do Público fazem balanço do ano literário






Na última edição do Atual de 29 de Dezembro é feito um balanço dos livros editados em Portugal em 2012.
Como em anos anteriores, a Relógio D’Água é a editora com mais obras destacadas (9), entre as dez  seleccionadas por cada crítico do Expresso.


Ana Cristina Leonardo escolhe A Travessia, de Cormac McCarthy, e Contos Completos, de Lydia Davis. José Guardado Moreira selecciona Ada ou Ardor, de Vladimir Nabokov, e A Poesia do Pensamento, de George Steiner. Luís M. Faria escolhe A Travessia, de Cormac McCarthy. Luísa Mellid-Franco destaca Num Lugar Solitário, de Ana Teresa Pereira. E Pedro Mexia escolhe Contos, de Pirandello, Contos Completos, de Lydia Davis, e Novelas nada Exemplares, de Dalton Trevisan.


De notar que a avaliação dos críticos do Expresso é enviesada em relação a uma apreciação em termos absolutos, já que António Guerreiro apenas escolheu livros de poesia, José Mário Silva autores portugueses, o mesmo sucedendo com Luísa Mellid-Franco. Sara Figueiredo Costa seleccionou apenas obras de banda desenhada ou ilustradas.


No ípsilon de 28 de Dezembro, vários críticos do Público tinham feito igualmente as suas escolhas. Entre as 10 primeiras, estão dois livros da Relógio D’Água, a saber: Contos Completos, de Lydia Davis, apresentado por José Riço Direitinho, e Um Sopro de Vida, de Clarice Lispector, afirmando Conceição Caleiro que «Clarice Lispector escreve como ninguém».


Um sintoma da dispersão de gostos, da diferenciação de critérios, é que entre as obras seleccionadas pelo Expresso e pelo Público há apenas dois títulos em comum, que são Contos Completos, de Lydia Davis, e A Piada Infinita, de David Foster Wallace.

Sem comentários:

Publicar um comentário