16.2.15

Pedro Mexia escreve sobre Knausgård na revista E






Na revista E do último número do Expresso o crítico Pedro Mexia escreve sobre A Morte do Pai, de Karl Ove Knausgård, o primeiro dos seis volumes de A Minha Luta, considerando-o «um dos mais ambiciosos projectos literários dos últimos tempos, capaz de transformar a autobiografia em romance».
«Em Knausgård, a escrita não é apaziguamento, catarse ou sentido: é vontade de exaustão, de destruição, vagarosa, minuciosa, inesgotável. O que interessa não é “o que acontece aqui e acolá (…)  mas sim o próprio aqui e acolá”. Não um tema, um enredo, um estilo, mas uma forma, um projecto, uma pergunta: “Porquê viver num mundo sem se sentir o peso dele?”» [14/2/2015]

Sem comentários:

Publicar um comentário