19.10.18

No Adeus a Arto Paasilinna





O escritor finlandês Arto Paasilinna morreu nesta segunda-feira, 15 de Outubro, na cidade de Espoo. Tinha 76 anos.
Paasilinna é autor de 35 romances e várias obras de não ficção, foi traduzido em mais de 40 idiomas e tornou-se um dos escritores finlandeses mais populares da história, conhecido pelo seu humor negro e ácido.
Entre os seus romances de maior sucesso estão “A Lebre de Vatanen” (1975),
“Ulvova mylläri” (1981), “Hirtettyjen kettujen metsä” (1983) e “Um Aprazível Suicídio em Grupo” (1990), todas eles adaptados ao cinema.
Com um estilo leve, cómico e às vezes surrealista, as suas histórias abordam temas da idiossincrasia finlandesa, com uma subtil sátira ao progresso e à modernidade.
Paasilinna nasceu na cidade de Kittilä em 1942 e durante a juventude dedicou-se ao jornalismo, actividade que acumulou com a literatura a partir de 1972.

Na Relógio D’Água tem editados A Lebre de Vatanen e As Dez Mulheres do Industrial Rauno Rämekorpi e Um Aprazível Suicídio em Grupo.

A chegar às livrarias: Suíte e Fúria, de Rui Nunes





«e as palavras surgem,
peças minúsculas, umas ao lado das outras,
coesas até à imprecação.
Como escrevia Heraclito? onde? nas margens de que rio? nas praias de que mar? no alpendre de que casa? na sombra de que parreira? de que pinheiro? ou não escrevia? falava ao ouvido do adolescente sentado na caruma, enquanto lhe passava a mão pelo cabelo e as formigas lhe subiam pelo branco da túnica? 
Por momentos, Heraclito calava­‑se.   
Hoje, perguntamo­-nos o que é, o que era, esse silêncio.
E enchemo­-lo de palavras.

O adolescente, porém, só ouvia o zumbido das vespas e o movimento da mão a afugentar uma mosca.»

18.10.18

Lembrando José Cardoso Pires




A 26 de Outubro passam 20 anos da morte do escritor José Cardoso Pires. Estão em curso diversas iniciativas para recordar a obra do autor de O Delfim e de Balada da Praia dos Cães.
Entre elas destaca-se uma exposição na Biblioteca Palácio Galveias, a 8 de Novembro, às 18:00, onde estarão fotografias de Eduardo Gageiro sobre José Cardoso Pires. A iniciativa é da Relógio D’Água, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e das Bibliotecas Municipais de Lisboa.
No dia 16 de Novembro , às 18:30, haverá o lançamento do livro LisboaLivro de Bordo, na Biblioteca Palácio Galveias. Maria do Céu Guerra, Luís Lucas e Carmen Santos irão ler excertos do livro editado pela Relógio D’Água, que tem publicado a obra do autor.
Entretanto, no próximo dia 26 de Outubro, o NEIIA (Núcleo de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos) e o CHAM — Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa organizam uma Jornada de Homenagem ao escritor intitulada “José Cardoso Pires, 20 anos depois: Diálogos Ibéricos e Ibero-Americanos”.

Será uma ocasião para celebrar a importância deste autor na literatura portuguesa e europeia, duas décadas após o seu falecimento. A iniciativa contará com a presença de Elena Losada, José Carlos de Vasconcelos, Clara Ferreira Alves, Inês Pedrosa, Bruno Vieira Amaral, Teresa Cerdeira e António-Pedro Vasconcelos, entre outros, e terá lugar no edifício I&D, junto à FCSH, durante todo o dia. Mais informação aqui: http://www.cham.fcsh.unl.pt/ac_actividade.aspx?ActId=811 

A chegar às livrarias: Cartas a Milena, de Franz Kafka (trad. e prefácio de António Sousa Ribeiro)





Esta é a primeira edição integral das cartas de Kafka a Milena.

«“A ti, por sua causa e tua, uma pessoa pode dizer a verdade como a mais ninguém, mais até, pode saber a sua verdade directamente de ti.” Talvez como mais nenhum outro, este passo da carta escrita por Franz Kafka em 25 de Setembro de 1920 a Milena Pollak dá testemunho não apenas da intensidade da relação entre ambos — provavelmente, a relação amorosa mais profunda da vida de Kafka —, mas também do extremo de exposição pessoal a que o autor d’O Processo estava disposto no âmbito dessa relação. Poucos dias antes, a 22 de Setembro, esse extremo expressara-se numa imagem de inultrapassável violência — “o amor é seres para mim a faca com que remexo as minhas entranhas” (…).» [Do Prefácio]

Franz Kafka conheceu Milena como tradutora para o checo das suas primeiras prosas breves. Ele tinha trinta e sete anos, ela vinte e três. A sua relação transformou-se numa ligação apaixonada.
As cartas testemunham um romance de amor, de desespero, de felicidade e de humilhação voluntária. Mas a ligação entre Kafka e Milena permaneceu, apesar dos seus raros encontros, essencialmente epistolar, como as de Werther ou de Kierkegaard.
Milena morreu vinte anos depois de Kafka, no campo de concentração de Ravensbrück.

17.10.18

Karen, de Ana Teresa Pereira, adaptado ao cinema




A 3 Tabela Filmes contratou recentemente a adaptação cinematográfica do romance Karen, vencedor do Prémio Oceanos 2017 e poderá também adaptar a obra a série televisiva.
A 3 Tabela Filmes, uma produtora independente brasileira de cinema e televisão, realizou já filmes a partir de dois contos de Hilda Hilst. Foi formada pelo realizador Eduardo Nunes, pelas argumentistas e produtoras Ana Pacheco, Izabella Faya, e pela produtora Fernanda Reznik. Produziu as curtas-metragens “Terra!” “Rota de Colisão”, “Truques, Xaropes e outros artigos de confiança”, “Tropel”, “Asfixia”, exibidos e premiados em diversos festivais nacionais e internacionais, incluindo Brasília, Gramado, Berlim e a Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, e longas como “Sudoeste”, de Eduardo Nunes, vencedor de mais de 30 prémios nacionais e internacionais, dentre eles três no Festival do Rio 2011. A 3 Tabela Filmes obteve a distinção de Melhor obra-prima em Havana e Prémio Tarkovsky, na Rússia e “Corda Bamba”, que circulou pelas salas de cinema do país. Isto entre outros documentários, séries e produções juvenis.



Ana Teresa Pereira vai também ser editada na Grã-Bretanha. “Fugue States” é o título lançado este ano pela Vanguard Editions, numa edição limitada que apresentará, traduzida pela própria, uma selecção de contos da autora.
Fugue States desafia os leitores britânicos a imaginarem Rebecca, de Daphne du Maurier, dirigida pelo realizador de cinema David Lynch. O livro será apresentado no dia 18 de Outubro, no restaurante The Peckham Pelikan, 92 Peckham Road, Londres SE15 5PY. 


[Texto baseado em artigo de Luís Rocha no site Funchal Notícias]

Lançamento de Nunca Dancei num Coreto, de Maria Filomena Mónica, no Museu da Farmácia



Sobre O Monte dos Vendavais, de Emily Brontë




«Poucas obras tiveram tempo de concepção tão prolongado como Wuthering Heights que, na verdade, deve ter nascido no dia em que nasceu Emily Brontë. Nunca entre um livro e o seu autor aconteceu maior intimidade, no sentido de um crescimento em pura simbiose.» [Hélia Correia]

«É como se Emily Brontë desfizesse tudo aquilo que conhecemos dos seres humanos e preenchesse essas transparências irreconhecíveis com um sopro de vida que faz com que elas transcendam a realidade.» [Virginia Woolf]


«Um livro diabólico — um monstro incrível… A ação tem lugar no inferno — mas parece que os lugares e as pessoas têm nomes ingleses.» [Dante Gabriel Rossetti]