16.1.18

A Ciência das Sombras, Apresentado a 20 de Janeiro, no Teatro Nacional São João





O livro de poesia de Bernardo Pinto de Almeida, A Ciência das Sombras, vai ser apresentado a 20 de Janeiro, às 16h00, no Teatro Nacional São João, na Praça da Batalha, no Porto.
O livro será apresentado por António Guerreiro.
Emília Silvestre, João Luís Barreto Guimarães e Andreia C. Faria lerão poemas.
Será apresentada ainda uma edição especial de 30 exemplares assinados do poema «Natal em Miami», de Bernardo Pinto de Almeida, com uma serigrafia original de Julião Sarmento.

A Ciência das Sombras é uma recolha definitiva de todos os poemas de Bernardo Pinto de Almeida, publicados entre 1975 e 2006, rescritos e apresentados de forma a constituírem um novo livro. Acrescentam-se aos livros antes publicados mais três inéditos, um de 1977 e dois de 2006.
Fecha-se assim o ciclo de poemas anteriores ao livro A Noite (Relógio D’Água, 2006).
O livro é acompanhado de um prefácio de Eduardo Lourenço e de oito desenhos de Julião Sarmento, que o artista fez expressamente.

Bernardo Pinto de Almeida nasceu em 1954, no Peso da Régua.
Tem poemas editados em Inglaterra, França, Alemanha, Espanha, Itália e Bulgária.
Publicou vários livros.

A chegar às livrarias: Uma Princesinha, de Frances Hodgson Burnett (trad. de Rita Carvalho e Guerra)




Quando o pai de Sara Crewe a traz da Índia para Londres e a inscreve na escola de Miss Minchin, ela não faz ideia de como a sua vida se irá alterar. Apesar de os seus privilégios se manterem inicialmente, a trágica morte do pai e a evolução dos seus negócios alteram tudo.
Numa inversão dramática da conhecida fórmula ficcional «pobre fica rico», Sara passa do privilégio à penúria em apenas um dia. Agora já não é uma princesa, mas uma pedinte, e depende apenas do poder da imaginação, do otimismo e da bondade que demonstra a estranhos para sair da situação em que se encontra.
Depois de ser expulsa do conforto do seu quarto, Miss Minchin encaminha-a para o seu novo lar: um sótão isolado, frio e desesperante. Terá, além disso, de desempenhar árduas tarefas de manutenção na escola.
Mas se a humildade, paciência e dignidade são virtudes a recompensar, será que Sara conseguirá reverter mais uma vez a sua situação?
Uma Princesinha é um drama intenso e intemporal sobre o poder transformador do pensamento e da imaginação.

«Um livro resplandecente, belo e encantador.» [New York Times]


«Uma Princesinha recria de forma exímia o efémero mundo da infância: um reino encantado onde tudo, até o faz-de-conta, é possível.» [Washington Post]

De Frances Hodgson Burnett, a Relógio D'Água editou também O Jardim Secreto.

A chegar às livrarias: A Ciência das Sombras, de Bernardo Pinto de Almeida





Uma recolha definitiva de todos os poemas de Bernardo Pinto de Almeida publicados entre 1975 e 2006, rescritos e apresentados de forma a constituírem um novo livro. Acrescentam-se aos livros antes publicados mais três inéditos, um de 1977 e dois de 2006. Fecha-se assim o ciclo de poemas anteriores ao livro A Noite (Relógio D’Água, 2006). O livro é acompanhado de um prefácio de Eduardo Lourenço e de oito desenhos de Julião Sarmento.

«O estranho de estar vivo

O estranho de estar vivo
é estar-se inundado de palavras,
não se acabar realmente com nada,
ter uma febre intensa
e uma estrela
muito alta.

O estranho de estar vivo é
caminhar de noite, insone, a nomear as coisas,
é nem sempre saber, diante da planta
o que é uma planta, diante da pedra
o que é uma pedra, diante de um homem
o que é um homem, ou o que possa ser.

O estranho de estar vivo é ter
palavras entre nós e as coisas
sem poder nomear. O estado mais puro
do estranho de estar vivo é
o tempo indiferenciado
do sonhar acordado.»

15.1.18

Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais, Apresentado a 16 de Janeiro no Museu da Farmácia






O livro de ensaios de Maria Filomena Molder, Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais, vai ser apresentado amanhã, 16 de Janeiro, às 18h30, no Auditório do Museu da Farmácia, na Rua Marechal Saldanha, n.º 1, em Lisboa (junto ao Miradouro de Santa Catarina).
A autora irá conversar com o crítico e ensaísta António Guerreiro.

A composição de Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais constitui uma amálgama, no sentido goethiano (alquímico). Os textos foram escritos entre 2003 e 2016, e a ordem não é cronológica.

Maria Filomena Molder é professora catedrática de Filosofia, FCSH, UNL.
Doutorou-se em 1992 com uma tese sobre «O Pensamento Morfológico de Goethe».
Escreve sobre problemas de estética para diversas revistas de filosofia e literatura, e sobre arte e artistas, para catálogos e afins.

As suas últimas publicações foram: Depósitos de Pó e Folha de Ouro (Lumme Editora), Rebuçados Venezianos (Relógio D’Água Editores; Prémio AICA/FCC 2017), As Nuvens e o Vaso Sagrado (Relógio D’Água Editores), O Químico e o Alquimista. Benjamin, Leitor de Baudelaire (Relógio D’Água; Prémio Pen-Clube 2011 para Ensaio).

Os Miseráveis em série televisiva





A BBC One e a Masterpiece vão adaptar para a televisão Os Miseráveis, de Victor Hugo, numa série de seis episódios.

A adaptação, de Andrew Davies, conta com os actores Dominic West, David Oyelowo, Lily Collins, Adeel Akhtar e Olivia Colman, entre outros. As filmagens deverão ter início em Fevereiro.

Em 2017, a Relógio D’Água publicou a obra de Victor Hugo em dois volumes.

12.1.18

Sobre Passagem para a Índia, de E. M. Forster




Eduardo Pitta escreve sobre «Passagem para a Índia, de E.M. Forster (1879-1970), o ensaísta e escritor inglês que marcou a primeira metade do século XX e viu muitos dos seus romances adaptados ao cinema. Passagem para a Índia foi um deles. O que talvez nem toda a gente saiba é que o romance foi considerado uma das cem obras-primas de sempre. Inspirado nas viagens que o autor fez à Índia e, em particular, na sua experiência (1921-23) como secretário pessoal do marajá de Dewas, Forster focou a sua obra ficcional mais ambiciosa nas convulsões pró-independência que já então abalavam o Raj britânico. O estranho incidente das cavernas de Marabar, envolvendo Adela e Aziz, serve de rastilho ao desenvolvimento da intriga. Ou seja, à explosão das tensões raciais entre colonizadores e colonizados. Não tendo ficado esclarecido se Adela sofrera um ataque de ansiedade generalizada ou apenas efeitos relacionados com eco e claustrofobia, a opinião colonial considerou Aziz culpado de agressão sexual. Que outra coisa, senão um agressor, podia ser um médico muçulmano? Adela está noiva do magistrado local, e o julgamento estabelece uma fractura irremediável. Confusa, Adela contradiz-se, acabando por concluir que tudo não passou de um equívoco. Em consequência, o noivado desfaz-se e ela marca viagem de regresso a Inglaterra. Chandrapore, onde tudo se passa, não existe (a cidade inspira-se em Bankipore), mas as suas características servem de metáfora do compound elitista em que se movem os ingleses: «Os indianos não podem entrar no Clube de Chandrapore, nem como convidados […] As pessoas entravam no Clube com uma calma estudada, à maneira da gente campestre passando entre duas sebes viçosas.» O fio condutor da história ilustra os limites das relações entre indianos e europeus. Homossexual oriundo da classe média e, nessa medida, ciente dos vários patamares sociais da Era Vitoriana, Forster — que foi por mérito próprio um dos Apóstolos de Cambridge — tem um apurado sentido do tema em pauta. Lembrar que, além de outros romances e ensaios, Forster é autor de Aspects Of The Novel, obra de 1927 ainda hoje de leitura obrigatória para quem queira escrever ficção literária.» [Eduardo Pitta, blogue Da Literatura, a propósito de crítica na revista Sábado, 11/1/2018]

De E. M. Forster, a Relógio D’Água publicou também Um Quarto com Vista.

Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais, Apresentado a 16 de Janeiro no Museu da Farmácia




O livro de ensaios de Maria Filomena Molder, Dia Alegre, Dia Pensante, Dias Fatais, vai ser apresentado a 16 de Janeiro, às 18h30, no Auditório do Museu da Farmácia, na Rua Marechal Saldanha, n.º 1, em Lisboa (junto ao Miradouro de Santa Catarina).

A autora irá conversar com o crítico e ensaísta António Guerreiro.