13.1.20

Sobre Dublinenses, de James Joyce




«Quando nos lembramos de que Dublin é uma capital há milhares de anos… parece estranho que nenhum artista a tenha oferecido ao mundo.» [James Joyce, em carta ao irmão]

Aos vinte e cinco anos, Joyce completou Dublinenses – uma sequência de pormenorizados episódios que retratam a vida da classe média de uma Dublin católica. As frustrações da infância, as desilusões da adolescência e o despertar sexual são narrados com clareza e sensibilidade. No conto mais famoso, «Os Mortos», Joyce descreve uma festa natalícia de amigos e vizinhos. Existe, porém, uma tensão oculta e um sentimento de desespero no enredo, que confere um elemento perturbador às aparências desse episódio social.
O realismo e simbolismo do imaginário de Dublinenses criaram uma nova forma de escrita, que é tão impressionante hoje como quando surgiu em 1914.


Dublinenses (trad. Margarida Periquito) e outras obras de James Joyce estão disponíveis em https://relogiodagua.pt/autor/james-joyce/

Sem comentários:

Publicar um comentário