17.8.16

Sobre A Salvação do Belo, de Byung-Chul Han





«O belo não é um prolongamento do “eu”, mas uma terrível dissolução do “eu”. O belo é “o insuportável tornado suportável”. É uma magia, mas também uma desmitificação. É um relâmpago, mas também um vínculo duradouro É uma salvação, sem dúvida, mas porque é uma anulação: “‘A salvação do belo é a salvação do diferente’ (…). Na medida em que é o ‘totalmente diferente’, o belo anula o ‘poder do tempo’.” É isso que Agosto, ano após ano, nos promete.» [Pedro Mexia, Expresso, E, 6/8/2016]

Sem comentários:

Publicar um comentário