9.2.15

Fogo Pálido no «Obrigatório» da revista «E» do Expresso




 

«Apogeu dos jogos literários de Nabokov, este romance é uma caixa chinesa de ficções dentro de ficções. No início há um poema em quatro cantos, com 999 versos, analisado de perto através de um aparato crítico que é a própria matéria da narrativa; e onde se desenterra a relação entre o poeta e o académico que o estuda e comenta (a quem pertence “a última palavra”). Engenhoso, erudito e pós-moderno, Fogo Pálido é uma demonstração vigorosa da inteligência e ironia do escritor russo.» [E, Expresso, 7-2-2015]

Sem comentários:

Publicar um comentário