11.2.14

António Araújo sobre Reviver o Passado em Brideshead







«Um mundo extraordinário, imprevisto, desesperado, louco, irreversível. O que se esconde nas margens de Reviver o Passado em Brideshead, a obra-prima de Evelyn Waugh? Julia Flyte, por exemplo, e a perseguição a amores tão impossíveis como a biografia de uma geração que vive na poeira deixada pela guerra.» [António Araújo, Ler, Fevereiro de 2014]




«Regressado ao exército, após a licença que lhe fora dada para escrever Brideshead, Evelyn será enviado para a frente da Jugoslávia. Tendo Randolph Churchill por camarada de armas (ou, mais precisamente, como comandante). Combatia, pois, ao lado do filho do primeiro-ministro. As provas tipográficas de Brideshead Revisited foram revistas na frente de combate, sendo remetidas do n.º 10 de Downing Street e viajando, nos dois sentidos, na mala de correio destinada a Winston Churchill.» [António Araújo, Ler, Fevereiro de 2014]

Sem comentários:

Publicar um comentário