6.1.14

Ana Teresa Pereira entrevistada no JL




 

«Comprou junquilhos, diz no último mail, em que enviou algumas fotos do seu “mundo”», escreve Maria Leonor Nunes no início da entrevista a Ana Teresa Pereira publicada no JL de 30 de Dezembro.
«Dificilmente classificável e, no entanto, imediatamente reconhecível: As Longas Tardes de Chuva em Nova Orleães é o novo livro de uma das mais originais vozes da ficção portuguesa contemporânea. Um regresso ao teatro das suas obsessões, ao jogo de espelhos, fantasmas e duplos, aos medos e demónios da escrita. E uma “aventura” para jovens, com o também agora publicado A Porta Secreta. A (re)entrada num gentil e perverso mundo literário, “assombrado” por personagens e histórias que se desdobram e multiplicam infinitamente.»




«Um Elétrico Chamado Desejo, de Elia Kazan, é um dos filmes da minha vida. Resisti muito ao telefilme com Ann-Margret, mas depois apaixonei-me. Nunca tinha sentido o desejo entre Vivien Leigh e Marlon Brando (o autor diz que Blanche é mais forte do que Stanley, ela é o tigre… só o desejo a faz perder a luta). Mas senti-o em Ann-Margret e Treat Williams. Está lá, nas palavras, nos corpos, na forma como os corpos são filmados. O ator que faz de psiquiatra dá um novo sentido a the kindness of strangers: há uma enorme bondade no seu rosto, no seu sorriso. Talvez Williams tivesse razão ao acreditar que havia um pouco de esperança para Blanche, porque se pode encontrar gentileza nos locais mais inesperados.»

Sem comentários:

Publicar um comentário