13.12.13

Sobre As Longas Tardes de Chuva em Nova Orleães, de Ana Teresa Pereira:





No ípsilon de 13 de Dezembro de 2013, Hugo Pinto Santos escreve sobre As Longas Tardes de Chuva em Nova Orleães, de Ana Teresa Pereira:

«Esta é uma história intoxicada pelas sensações experimentadas no palco, seduzida pela vertigem do teatro, o qual fornece a sugestão do título do romance e lhe atribui as tábuas que as personagens pisam. Mas não por muito tempo. (…) As personagens de Ana Teresa Pereira estão permanentemente a deslizar entre a ficção e a realidade, e vice-versa – sempre a encontrar corredores que as sugam de um ponto para outro, ambos igualmente ínvios, igualmente terríveis. Com progressiva mas decidida anulação dessas categorias enquanto casulos calafetados – “Kate comprara um caderno barato e escrevera a peça, ao longo de duas noites” (p.43). Como o Orlando de Virginia Woolf, estas personagens parecem atravessar as eras – muitas vezes mantendo o nome.»

 

Sem comentários:

Publicar um comentário