7.11.13

Sobre Fausto, de Fernando Pessoa





«Para além de Goethe, vários foram os escritores que revisitaram o mito de Fausto: Pushkin, Valéry, Thomas Mann. Fausto, Tragédia Subjectiva de Fernando Pessoa é narrado na primeira pessoa. O conjunto do drama representa a luta entre a inteligência e a vida em que a inteligência é sempre vencida. A inteligência é representada por Fausto, e a vida por diversas personagens, segundo as circunstâncias do drama. Na presente edição de Teresa Sobral Cunha, Eduardo Lourenço escreve no prefácio sobre esta obra de ambição fáustica: “à sombra tutelar de Goethe, a aventura consignada nestes fragmentos calcinados e luminosos converteu Fernando Pessoa no Fausto de si mesmo.”» [Agenda Cultural de Lisboa]

Sem comentários:

Publicar um comentário