30.9.13

A chegar às livrarias: Ode Marítima (Poema de Álvaro de Campos) de Fernando Pessoa




 


«Na Ode Marítima, exterior e interior são separados pela mesma “Distância” que vai do poeta no cais deserto ao navio que ele vê ao longe. É a distância entre a sensação e a coisa, entre a sensação como realidade interior e o paquete como realidade exterior. Ora, esta distância liga-se a uma sensação “primitiva”, como diz Pessoa, sensação que desempenha um papel essencial em toda a sua poesia: a sensação de mistério. Na Ode Marítima, o mistério é significado por toda a distância, tudo o que se separa, todo o movimento que cria uma separação. Se analisar sensações consiste, assim, em extrair delas o que contêm, exteriorizando-o,tornando-o significável por palavras — então, analisar a sensação de mistério equivale a reduzir essa distância que suscita o mistério. E, com efeito, todo o poema pode ser encarado nesta perspectiva: como vencer a Distância, ou seja, todas as distâncias de todas as naturezas que surgem, uma após outra (entre o paquete e o cais, entre eu-agora e eu-outrora, entre um cais e O Cais, etc.); mas também, e porque é esse o verdadeiro fundamento de toda a distância — como fazer desaparecer a oposição entre os dois pólos da sensação, o interior e o exterior.» [Do Posfácio de José Gil]

Sem comentários:

Publicar um comentário