24.1.20

Sobre O Estendal e Outros Contos, de Jaime Rocha




«Jaime Rocha escreve e publica há muito, dir-se-ia que o que escreve, ou nele se escreve, como uma linha que subliminarmente insiste, cava e conecta destroços — um destino inexorável —, repete-se, mesmo diferindo em todos os géneros que manipula: poesia, ficção, teatro. Nele complementares: em cada ponto sempre à beira da eclosão, mesmo não parecendo, e o leitor incauto pode tropeçar com ingenuidade na armadilha. […]
“O Estendal” é um conto exemplar, ou se se quiser, quase um filme de terror. Filme também, porque a visualidade é dominante nestes textos, assim como tudo o que gira em torno do olhar, da repetição visual de qualquer referente — o olhar é o sentido dominante da absorção do mundo. A fotografia ou a câmara são o mediador entre a voz e o referente. a imagem que se imagina desdobra-se e engendra novas imagens que se erguem e multiplicam dentro de si mesmas.» [Maria da Conceição Caleiro, Colóquio/Letras, n.º 203,  Janeiro de 2020]

«O Estendal e Outros Contos» e outras obras de Jaime Rocha estão disponíveis em https://relogiodagua.pt/autor/jaime-rocha/

Sem comentários:

Publicar um comentário