19.10.19

Sobre Os Paraísos Artificiais e Outros Textos, de Charles Baudelaire e Téophile Gautier




«O poeta francês Charles Baudelaire (1821-1867), autor das célebres As Flores do Mal, reunia-se com os amigos no Hotel Pimodan, desfrutando do haxixe, do ópio e do vinho. Em Paraísos Artificiais, o poeta relata a sua aventura numa série de escritos “não de pura fisiologia, mas sobretudo de moral. Quero provar que os descobridores de paraísos fazem o seu inferno, preparam-no, cavam-no com um sucesso cuja previsão talvez os atemorizasse”. Distingue o consumo do haxixe e do vinho, afirmando: o menor dos inconvenientes do haxixe “é ser antissocial, enquanto o vinho é profundamente humano”, louvando a sua ingestão moderada: “Quem quer que tenha tido um remorso a mitigar, uma recordação a evocar, uma dor a afogar, um castelo em Espanha a edificar, todos, enfim, vos invocaram, deus misterioso escondido nas fibras da videira.” Os efeitos do ópio são apresentados tendo como plano de fundo a análise do livro de Thomas De Quincey, Confissões de um Comedor de Ópio. A presente edição inclui O Cachimbo do Ópio e O Haxixe e o Clube dos Comedores de Haxixe de Théophile Gautier.» [Luís Almeida D’Eça, Agenda Cultural de Lisboa, Outubro de 2019]

Os Paraísos Artificiais e Outros Textos (trad. João Moita) e outras obras de Charles Baudelaire estão disponíveis aqui: https://relogiodagua.pt/autor/charles-baudelaire/

Constantinopla, de Téophile Gautier, está disponível aqui: https://relogiodagua.pt/autor/theophile-gautier/

Sem comentários:

Publicar um comentário