2.5.19

Sobre Nana, de Émile Zola




Disponível em www.relogiodagua.pt e a chegar às livrarias: Nana, de Émile Zola (trad. Daniel Augusto Gonçalves)

Nana é um dos principais romances de Émile Zola. Nascida no meio operário, filha de um pai alcoólico e de uma lavadeira, Nana precisa de dinheiro para criar o filho que teve aos dezasseis anos de um pai desconhecido.
Medíocre artista de teatro, prostitui-se para compor o ordenado ao fim do mês. A sua ascensão social começa com o papel de Vénus, que vai interpretar num teatro parisiense. Não sabe cantar, mas as suas roupas impudicas e a sexualidade intensa atraem os homens e permitem-lhe viver num apartamento luxuoso, onde foi instalada por um rico comerciante de Moscovo.
Nana vai tornar-se um exemplo de prostituta de luxo, da cortesã francesa do Segundo Império. Alcança a riqueza, afirma-se nos meios da aristocracia e da finança, reinando no seu palacete da avenida de Villiers, entre móveis de laca branca e perfumes perturbadores.

É assim que Nana dissipa heranças e mergulha famílias no desespero, desferindo golpes devastadores numa sociedade corrupta que despreza e de que acabará por ser vítima.

Sem comentários:

Publicar um comentário