27.5.19

Sobre Kudos, de Rachel Cusk




«O exercício de ler este livro de lápis na mão é, por sua vez, um desafio à contenção. Os pensamentos e as conversas das personagens que o povoam — as pessoas com que Faye se vai cruzando e que ouve como um terapeuta num consultório, sem espaço para muitas conversas, mas capaz de suscitar a auto-reflexão — são um manancial ambicioso para abordar mais do que a literatura: a vida. Essas pessoas estão todas em momentos de falha ou de superação de falha. Como ela. Uma falha pessoal, criativa, política. Como o momento histórico de que Cusk não se desvia. E em tudo, na mais elevada discussão literária ou política como na descrição de um ambiente doméstico, o espelho está sempre colocado em frente de cada uma das personagens, de cada um dos leitores, à própria Faye. Ou Rachel. É um espelho que interpela e se manterá depois da leitura deste “Kudos”, título retirado da palavra grega “kudos”, a remeter para o conceito de “reconhecimento” ou “louvor”.» [Isabel Lucas, ípsilon, Público, 24/5/19]


Mais informação sobre Kudos aqui: https://relogiodagua.pt/produto/kudos/

Sem comentários:

Publicar um comentário