16.11.18

Sobre Sonhos Elétricos, de Philip K. Dick




«Dick era um genial escritor de ideias, e antecipou todos os debates fundamentais sobre a tecnologia; mas enquanto nos romances explorava a fundo essas hipóteses teóricas, em muitos contos usava as ideias como ponto de partida ou de chegada, de um modo um pouco mais esquemático. Ainda assim, é inegável o interesse desta antologia, editada como companion piece da série televisiva “Electric Dreams” (Channel 4).
Podemos organizar estas histórias em três núcleos: as histórias de mundos inexistentes, de corpos estranhos e de actos de resistência. O primeiro conto do livro é sobre uma exposição que, no futuro, os historiadores dedicam ao séc. XX, sobre um incidente que acontece, e sobre um homem que investiga os factos, entra na exposição e depois se perde dentro dela, rodeado de objectos e noções que o futuro não entende, como jornais, panquecas ou democracia. No meio de imitações de um tempo antigo, George Miller experimenta então uma vida antiga, entretanto extinta, e percebe que prefere esse tempo, mais banal e mais livre, ao seu tempo.  É a primeira das “ficções paranóicas” desta antologia, exercícios sobre a possibilidade de haver vários mundos, e mundos mais reais do que outros.» [Pedro Mexia, Expresso, E, 10/11/2018]

Sem comentários:

Publicar um comentário