11.7.16

Sobre Ensaios Escolhidos, de George Orwell




«Para o grande público, Orwell é sinónimo de Mil novecentos e oitenta e quatro, o romance de 1949 que antecipou o formato Big Brother das sociedades actuais. Mas Orwell escreveu outro tipo de livros, como por exemplo Homenagem à Catalunha, sobre a sua experiência na Guerra Civil Espanhola. Entretanto, um conjunto de textos avulsos, grande parte deles escritos durante a Segunda Grande Guerra, foi coligido em Ensaios Escolhidos. O que fecha o volume, um texto não concluído sobre Evelyn Waugh, é o exemplo perfeito da sua heterodoxia, ao defender sem complexos o reaccionarismo do autor: «O que Waugh tenta fazer é usar o febril e inculto mundo moderno como contraponto para a sua conceção de um modo de vida bom e estável.» É largo o espectro de temas. A independência da Índia, a sua passagem pela polícia birmanesa, os ditirambos da crítica, as idiossincrasias de Dalí («um biltrezinho imundo»), a poesia de T. S. Eliot, o equívoco nazi de P. G. Wodehouse, consequências do nacionalismo, Tolstoi vs Shakespeare, o caso Ezra Pound e outros. Absolutamente essencial.» [Eduardo Pitta, no blogue Da Literatura, a propósito de crítica na Sábado a Ensaios Escolhidos, de George Orwell, trad. José Miguel Silva]

Sem comentários:

Publicar um comentário