6.10.14

António Barreto fala ao JL sobre álbum Douro



 

«Todas as fotografias vão dar ao rio. Douro – Rio, Gente e Vinho é a edição revista e (muito) aumentada de um trabalho de António Barreto publicado nos anos 90», assim começa Francisca Cunha Rêgo a entrevista a António Barreto no Jornal de Letras de 1 de Outubro.

« Este livro mudou tanto quanto o Douro?
Talvez o Douro tenha mudado mais. A estrutura do livro é a mesma. Nos primeiros capítulos fiz muito poucas alterações, acrescentei uma ou outra nota de pé de página. Foi sobretudo no posfácio e na Galáxia, capítulo sobre as empresas do Douro, que introduzi as maiores alterações.  E há um capítulo novo: Vinte anos depois. O Douro viveu uma enorme revolução. Durante 300 anos a região produziu o mundialmente famoso vinho do Porto. Como produto, este é certamente o mais interessante e conhecido contributo português para a história da humanidade. Nos últimos 30 anos deixou de haver a “unicidade” e o “imperialismo” do vinho do Porto. Nasceram dezenas de géneros, com produtores novos a fazerem vinhos tão bons como os melhores do mundo, com mercado internacional em países como Inglaterra, França, Suíça, Holanda. São os vinhos DOC do Douro. Por exemplo, a Quinta do Crasto, Quinta da Casa Amarela, Quinta do Valado, etc. São fabulosos e vieram alterar tudo.»

Sem comentários:

Publicar um comentário