3.3.14

Sobre Os Lança-Chamas, de Rachel Kushner





«Basta observar o modo como Rachel Kushner articula a energia centrípeta e umbiguista da cena artística de Nova Iorque (cada indivíduo mais preocupado em contar a sua própria história do que em ouvir os outros) com o movimento centrífugo da revolta política em Itália para se perceber que se trata de uma grande escritora. A qualidade da prosa, porém, eleva-a a um patamar ainda mais alto. Sobre uma certa galerista, interessada em Sandro (no seu trabalho e não só), ficamos a saber que se veste “como se estivesse permanentemente em 1962, sempre de preto e cabelo puxado para cima”. Kushner capta o ritmo dos diálogos frívolos, a atmosfera cheia de fumo das noites de boémia, a vibração urbana e a beleza do néon (“joalharia elétrica no corpo esbelto da cidade”). E as suas descrições de paisagens são simplesmente fabulosas: o deserto branco devolve o “clarão do sol como a lâmpada de uma faca pousada”; por cima, o azul cru “parecia cortado de uma bainha interior do céu”. Quantos escritores americanos contemporâneos escrevem com tanto rasgo e tanta verve? Muito poucos.
Logo no início, há uma cena que não deixa margem para dúvidas quando ao talento da autora.» [José Mário Silva, Expresso, Atual, 1-3-14]

Sem comentários:

Publicar um comentário