13.1.14

A Ilha de Sacalina sobe ao palco





 

Mais de 120 anos depois da viagem de Anton Tchékhov à ilha de Sacalina, então uma colónia penal onde gerações de prisioneiros cumpriam penas de trabalhos forçados, o relato do escritor e médico russo será levado ao palco. A adaptação é de Jonathan Cole, professor na Universidade de Southampton.
O espectáculo chamar-se-á The Russian Doctor e terá uma primeira apresentação a 28 de Março, no Theatre Royal de Winchester.
Em 2011, a Relógio D’Água publicou o livro que deu origem à representação.


Quando Tchékhov, então um jovem médico, partiu para a ilha de Sacalina em Abril de 1890, ninguém compreendeu as suas motivações. Ele próprio, incapaz de se explicar, falou de mania sachalina.
Nabokov fez-se eco dessa perplexidade: «Normalmente, os críticos que escrevem sobre Tchékhov repetem que acham de todo incompreensível o facto de, em 1890, o escritor ter empreendido uma viagem perigosa e fatigante à ilha de Sacalina para estudar a vida dos condenados aos trabalhos forçados.»
Trata-se, de qualquer modo, do episódio mais estranho da vida de Tchékhov. Tendo decidido investigar aquele lugar maldito, pôs-se a caminho, em condições mais do que precárias. Decidira não se apresentar como jornalista e não possuía qualquer carta de recomendação ou documento oficial. Após dois meses e meio de viagem extenuante, o mais provável era ser obrigado a regressar.
Enfrentou o frio, a chuva, as inundações, e os incêndios, e finalmente lá estava, ao largo da Sibéria, a ilha de Sacalina: «Em redor o mar, no meio o inferno.»

Sem comentários:

Publicar um comentário