30.12.13

Rui Nunes e Joyce no JL


No Jornal de Letras de 11 a 24 de Dezembro, Jorge Listopad escreve sobre Armadilha, de Rui Nunes.

«Livro de exílio, autobiográfico ao de leve, isto é, de outro modo, lembrando uma outra autora enganadora da morte, Gabriela Llansol, ambos “passo a passo desenhando o mapa”, segundo as primeiras linhas do autor. (…) Estamos ou não algures no barroco espanhol perto de Gôngora? Porém, humaníssimo, que sabe o que vale o mundo de hoje e esse mundo de hoje confia-o a uma palavra exacta: ou melhor a 50 páginas de grande prazer lento, de música, antes de se fechar a escrita da vida.»




No mesmo número do Jornal de Letras, «Só podia ter ficado para último. Em 2012, a Relógio D’Água anunciou a publicação das principais obras de James Joyce, num esforço editorial sem precedentes em relação ao escritor irlandês. Novas edições, com novas traduções e grafismo uniformizado, da poesia, dos contos, de algumas cartas e dos romances.»

Sem comentários:

Publicar um comentário