4.11.13

Alice Munro na revista Ler




 

No artigo de José Riço Direitinho na Ler de Novembro de 2013 sobre a atribuição do Prémio Nobel à escritora canadiana Alice Munro pode ler-se: «Alice Munro criou uma espécie de território mítico onde quase todas as suas histórias têm lugar, a que, e à semelhança da geografia faulkneriana, se poderia chamar “Condado de Munro”. Este universo valeu-lhe o Nobel. Chamar-lhe “mestra do conto” é muito pouco.»

Na mesma revista, na crónica de José Mário Silva, que foi um dos críticos que contribuíram para a divulgação da obra da autora ao longo dos últimos anos, diz-se: «Uma leitura menos voraz revela, porém, maravilhosas subtilezas que agitam as histórias pela calada, subterraneamente, iluminando os textos por dentro. É uma sofisticação rara, em surdina, que sabe conferir o peso certo a uma angústia, a uma perda, a uma epifania (por exemplo, a noção de que a vida se perdeu ou desviou, algures, apagando possibilidades que um gesto, muitos anos mais tarde, pode evocar sem aviso).
Que o Nobel premeie uma escritora assim é causa de desalento para alguns. Eu, pela minha parte, rejubilo.»

Sem comentários:

Publicar um comentário